Não é novidade a importância que a internet tem nos dias atuais, para as empresas, corporações, profissionais liberais, estudantes e etc.. O termo internet das Coisas, porém, não é uma expressão genérica, ele remete a uma transformação revolucionária que já se iniciou entre nós.

O Brasil ainda tem índices baixos de número de internautas (cerca de 50% da população ainda não tem fluência ou acesso à esfera digital, segundo dados do IBGE), sobretudo quando comparado a outros países, por outro lado as grandes capitais já apresentam uma quantidade enorme de pessoas que se conectam diariamente.

É possível perceber esse fenômeno nas ruas, cafés, lojas, transportes públicos e daí por diante. De fato, hoje em dia o estar “conectado diariamente” vai muito além de simplesmente checar a caixa de e-mail uma vez ou outra.

As plataformas, mídias e redes digitais são responsáveis por consumir grande parte do tempo das pessoas. Há opções de mensagens instantâneas, de perfis pessoais que permitem compartilhar fotos/mensagens em tempo real, e até sites de compartilhamento de vídeos amadores, que atingem uma audiência que supera a da televisão aberta.

Entenda o que é e o papel da Web 4.0

Talvez você esteja lendo este artigo no seu computador, mas também é bem provável que esteja lendo em um dispositivo móvel, como o celular ou tablet. Hoje em  dia existem pessoas que navegam até pelo televisor, às vezes via console de videogame.

Você também pode ter encontrado este post enquanto pesquisava outra coisa completamente diferente, como algo sobre alarme de incêndio, ou o melhor tênis para corrida, ou dicas de nutricionistas e exercícios físicos, ou ainda como será sua viagem de fim de ano.

O que tudo isso tem a ver com o assunto? É bem simples: a acessibilidade e a navegabilidades que a internet permite hoje em dia. É bem conhecida a teoria das Eras da Internet, segundo a qual temos:

  • Web 1.0: primeira geração, páginas estáticas;
  • Web 2.0: bate-papo e páginas dinâmicas com os usuários;
  • Web 3.0: motores de busca e a explosão de conteúdos;
  • 4.0: revolução Wireless, mobile, armazenamento na nuvem.

Não é difícil imaginar como essas mudanças na esfera digital podem trazer vantagens em termos de comércio e de mundo corporativo como um todo. Variando desde e-commerce e plataformas de venda até a frente de escritórios, setores terciários, ou empresas de limpeza e conservação e daí por diante.

Antes, contava-se apenas com panfletos distribuídos de modo regionalizado, ou no máximo com revistas, jornais e classificados voltados para setores nichados. O que valia tanto para demandas comerciais, como no caso dos serviços corporativos citados acima, quanto para demandas pessoais, também supracitadas.

Seja como for, o que a Internet das coisas promete é muito mais revolucionário do que a Web 4.0, embora no fundo ela seja apenas um desdobramento dessa evolução: trata-se de conectar as coisas mais triviais e cotidianas à internet. Adiante veremos os resultados disso.

Carros, celulares, relógios: o futuro já chegou?

Hoje está tudo conectado e interconectado. Basta prestar atenção em sua rotina e ver como você marca seus compromissos, comprar os produtos de que mais precisa e solicita os serviços mais variados. Ou mesmo, analisar como você e seus amigos trabalham.

De fato, segundo dados da própria Associação Brasileira de Internet, o número de pessoas que trabalha não apenas pelo computador, mas necessariamente conectadas à internet, aumentou em mais de 210% nos últimos anos.

Até poucos anos atrás aquele famoso cartão mifare era considerado uma grande evolução (trata-se daquele que os funcionários utilizam para liberar sua entrada nos edifícios em que trabalham). Hoje, porém, já há projetos de que câmeras com identificação de faces identifiquem a chegada, intervalos e saída de cada colaborador de uma empresa.

É nessa velocidade que a evolução está ocorrendo, e com as possibilidades da Internet das coisas não é diferente. Vale lembrar que boa parte desse “futuro incrível” já está em andamento e faz parte do nosso dia a dia.

Por exemplo, está previsto que em breve os motoristas de carro serão inúteis, pois os veículos assumirão a direção e um computador de inteligência artificial é que os conduzirá. Além disso, todos os automóveis deverão estar conectados entre si, por meio da internet, bem como trocar sinais Wi-Fi com os semáforos, câmeras de trânsito e afins.

Esse modelo ainda está em teste, e parece longe de se concretizar, por outro lado, já existe o GPS, que é conhecido por todos nós (e permite localizar um carro em qualquer lugar do mundo, bem como travar sua direção, se necessário). E não apenas: o piloto automático também já é utilizado em algumas auto estradas europeias.

Outro exemplo de tecnologia que muita gente não sabe que existe, mas remete a algo que está em nossos smartphone, é o serviço de tradução instantânea, voltado para turistas e empresários. Esse serviço depende de algumas plataformas onlines, e portanto da conexão com a internet.

Além disso, já existem relógios que medem os batimentos cardíacos e a pressão arterial do seu usuário. Ao passo que a Internet das coisas propõe ligar esse tipo de sistema a nada menos que plataformas medicinais, de tal modo que em situações emergenciais um hospital mais próximo ou mesmo uma ambulância possam ser acionados.

Por dentro da automação residencial e industrial

A automação residencial ou mesmo industrial é um dos maiores exemplos dos feitos que a Internet das coisas deve atingir nos próximos anos. E também se tornou uma ilustração do que discutimos acima: o fato de que muito do que se prometeu já está ocorrendo.

Hoje um projeto elétrico residencial pode chegar a levar em conta a quantidade de sensores que uma casa precisará ter para se tornar o que se chama “casa inteligente”. Esses imóveis têm sensores/interação com objetos bem triviais do dia a dia, tais como:

  • Portas e Janelas;
  • Cortinas e Rodapés;
  • Aquecedores e Lâmpadas;
  • Geladeiras e Banheiras.

Não somente a rotina como a própria segurança das pessoas irá mudar muito, e já tem mudado. Não é segredo para ninguém que existem maçanetas com reconhecimento da digital dos usuários, ou mesmo da íris dos olhos deles. Embora os valores praticados nesses casos ainda sejam auto, certamente a popularização virá com o tempo.

Alguns rodapés contam com sistema de aspiração, e limpam o piso conforme um período de tempo programado. As geladeiras serão capazes de indicar o término de um artigo qualquer (alimento, bebida, fruta), e avisar por celular para que a pessoa possa repor.

Também uma empresa de projetos elétricos para indústria precisa levar esses fatores em conta, já que no caso do mundo corporativo as promessas vão ainda além. Hoje todas as máquinas de um pátio fabril estão conectadas, de tal modo que podem ser controladas e configuradas por engenheiros que atuam a distância, não raro de outros países.

Para efeito de ilustração, a tecnologia obviamente vai para além do campo da internet, e remete a outras frentes. Até pouco tempo atrás a grande revolução era fazer orçamento energia solar e contar com essa fonte alternativa de energia.

Bem, hoje falam muito em energia geotérmica, nada menos que uma fonte que além de ser renovável e limpa, é obtida por meio do calor do centro da Terra.

O foco nos detalhes e pequenas coisas

Realmente as promessas da Internet das coisas são imensas.

Seja como for, o interessante é notar que há também questões mais simples e triviais que tendem a ser transformadas em sentido menos revolucionário.

Tal como as lâmpadas de uma casa, conforme vimos acima. Ou ainda, em uma indústria, como na conexão entre uma esteira e um computador a distância, ou nas máquinas de uma fábrica de celulose, que produz desde papel sulfite até alça para sacola de papel.

São coisas simples, mas que prometem facilitar a vida das pessoas. Também assim, as funções de aplicativos de smartphones podem agregar muita praticidade a nossas rotinas.

E isso serve para o âmbito da vida pessoal, como para seguir uma dieta com mais firmeza, tanto quanto para o da vida profissional, como para manter uma agenda atualizada, fazer uma videoconferência e daí por diante.

Em todos os casos, o que temos são exemplos de como a Internet das coisas já mudou nossas rotinas, e de como virá a revolucionar ainda mais nossas vidas.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.